PISTOLAGEM POLITICA; Brasil Campeão Mundial em ASSASSINATOS DE DEFENSSORES DO MEIO AMBIENTE, Momento Para Reflexão; Campanha Eleitoral 2014.

Pistolagem política

casal_extrativistas_mortos_700

https://www.google.com.br/search?q=Ambientalistas+Assassinados+no+Pará,+Brasil.&es_sm=122&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa

https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=9&cad=rja&uact=8&ved=0CGkQFjAI&url=http%3A%2F%2Fwww.bbc.co.uk%2Fportuguese%2Fnoticias%2F2012%2F06%2F120620_ativistas_mortos_jc_ac.shtml&ei=MFrSU9-IMZGGyAS9moGwDQ&usg=AFQjCNEQXk37oREdNdVJAwKu_AxfShIwWA&sig2=0Kmhjh7w7AoeIDNMfbi6Iw&bvm=bv.71667212,d.aWw

 http://pt.globalvoicesonline.org/2011/05/27/brasil-morte-de-casal-defensor-da-floresta-e-vergonha-para-o-pais/

O período 2002 e 2013 registrou 908 homicídios de pessoas que defendiam os recursos naturais e o direito à terra. Em todas as 35 nações estudadas a impunidade foi a marca registrada da pistolagem, já que sentenças ocorreram tão somente em 1% dos casos.

Este é parte do relatório da ONG Global Witness, onde o Brasil é o “campeão” com 448 assassinatos. O estudo que discorre sobre conflitos agrários enfatiza que “muitos dos ameaçados se opunham à grilagem, mineração e exploração de madeiras para fins industriais, sendo afastados de suas casas devido à devastação do meio ambiente“.

Nesta perspectiva, no Brasil, percebe-se que estes crimes no campo são complementados pela pistolagem política de legislativos e executivos.

Dá exemplo a recente alteração do Código Florestal Brasileiro (CFB) do deputado Aldo Rebelo, apoiada em texto pelo seu partido, o PCdoB, beneficiando direta e variadamente deputados e senadores infratores. Nas eleições de 2010, os 13 deputados do grupo de Aldo, que elaboraram tais alterações, receberam financiamento de aproximadamente R$ 14 milhões de empresas do agronegócio como a Bungue e Votorantim, além de mineradoras e construtoras. Um deles, Luiz Carlos Heinze (PP-RS), para quem “quilombolas, índios, gays e lésbicas são tudo o que não presta“, sugere a contratação de “segurança privada como no Pará” para proteger propriedades. Como pode um indivíduo com tal civilidade e respeito humano ser deputado federal? Para além de suas declarações, outro escândalo é que a Comissão de Ética não faça absolutamente nada!

Segundo artigo da revista “Science” as alterações do CFB diminuíram em 58% a área desmatada que deveria ser restaurada, anistiou 29 milhões de hectares de florestas destruídas ilegalmente antes de 2008 e manteve a possibilidade de desmate legalizado para mais 88 milhões de hectares. As motosserras derrubam árvores com combustível doado pelo Congresso, o qual, por sua vez, é financiado eleitoralmente pelo “agrobusiness“.

O relatório da Global Witness também cita o setor minerário e, não por coincidência, a Câmara dos Deputados elabora um novo Código de Mineração visando beneficiar mineradoras que bancaram campanhas eleitorais.

Ilustra essa afirmação o fato de o deputado Eduardo da Fonte (PP/PE), presidente da Comissão de Minas e Energia do Congresso Nacional, estar planejando retirar do IBAMA, IPHAN e da FUNAI responsabilidades ambientais, podendo “dispensar oitiva” dos mesmos para o “licenciamento dos empreendimentos do setor elétrico considerados estratégicos“. Ele recebeu financiamento eleitoral de R$ 2.967.166,50, de onde R$ 1.000.000,00 surgiram só da Vital Engenharia Ambiental S/A, via diretório estadual, além de doações do “agrobusiness“.

Ainda neste âmbito o jornal “The Guardian” abordou o escândalo de espionagem ocorrido no Ministério de Minas e Energia brasileiro, responsabilizando USA e Canadá, este último com 40 mineradoras interessadas no nosso subsolo. Uma delas, a Belo Sun Xingu, ameaçou populações ribeirinhas do Rio Xingu para deixarem suas casas, pois pretende devastar 131 mil hectares visando mineração de ouro. Novamente grilagens, truculência e ações parlamentares se complementam.

Financiado por “papeleiras”, desconsiderando o sofrimento de populações brasileiras atingidas por multinacionais e também alheio aos interesses nacionais, o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS) chama de “vigarice” a demarcação de terras de índios e quilombolas. Referente a outros políticos, verifica-se o envolvimento direto com ações policiais. Em 2013 a Polícia Federal prendeu por fraude ambiental os secretários de Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, Carlos Fernando Niedersberg (PCdoB), e de Porto Alegre, Luiz Fernando Záchia (PMDB), além do ex-deputado estadual e dono do Instituto Biosenso de Sustentabilidade Ambiental, Berfran Rosado (PPS).  Este último, premiado com o “Oscar ambiental gaúcho” pela ONG Borboleta Azul (que ironia), foi Coordenador da Frente Parlamentar Pró-Florestamento na Assembleia Legislativa gaúcha. E não existem coincidências nestes fatos!

Um governo gaúcho que atuou como marionete das “papeleiras” e com grande euforia por conta dos “reflorestamentos” foi o de Yeda Crusius (PSDB-RS). Nós, da metade sul, aturamos da mídia um estrondoso “agora vai” e que “finalmente havíamos encontrado nossa vocação”: Ser quintal do “agrobusiness“!

E que ninguém se arriscasse criticar, pois logo vinha a sentença: É contra o progresso!

O servilismo da governadora ao setor que a financiou eleitoralmente em R$ 500 mil foi vexatório, trocando os titulares da Secretaria do Meio Ambiente que não atendessem interesses das “reflorestadoras”. A oposição criticava-a com rigor, fez ecoar que seriam “desertos verdes” e, estrategicamente, aproximou-se de ambientalistas numa “sintonia” rápida e interesseira mas só até vencerem a eleição.

Mesmo após o fiasco das “florestas plantadas” a Votorantim recebeu ajuda financeira do Banco do Brasil, adquiriu a falida Aracruz, abandonou vários agricultores e, hoje, tem mais de 300 mil hectares de subsolo pampiano reservados para mineração de cobre e zinco. Como várias empresas, ela financia candidatos visando a compra de políticos!

Estes mesmos que ontem apedrejavam o governo Yeda querem, agora no poder, reapresentar o mesmo projeto via Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do governo petista. O pior é que se o secretário enviar esta proposta para a Assembleia ela será aprovada por deputados com visão antissocial, atitudes predatórias e, óbvio, comprometidos com seus financiamentos eleitorais. É claro que querem fazer jus às futuras propinas.

Mesmo com todos estes vexames e maracutaias, empresas e governo petista juram lucros e desenvolvimento, desconsiderando questões constitucionais, sociais e ambientais. Comprados eleitoralmente e mirando reeleições muitos políticos tratam cidadãos como se fossem ignorantes e imbecis!

Estudos e reportagens sérias já demonstraram que estes projetos antropofágicos geram desemprego, não privilegiam pequenas comunidades agrícolas, ocasionam afastamento do homem do campo e no campo, geram solidão, monotonia paisagística, desaparecimento de espécies silvestres, prejudicam o solo, o lucro é só das empresas, tem-se aumento da criminalidade, escassez de água, expansão de cinturões de miséria e destruição ambiental.

Tudo é pensado para o lucro de uns poucos e aumento de PIBs que não geram benefícios diretos para quem de fato trabalha a terra e produz alimentos! Tudo é puro engodo, pois, como se viu, a “exploração de madeiras para fins industriais afasta os agricultores de suas casas devido à devastação do meio ambiente“.

Pelo seu lado a mídia parece narrar um “jogo” entre as partes conflitantes que, invariavelmente, termina em zero a zero; parece que as razões se anulam e tanto faz quem vença; parece que os argumentos se equivalem; parece que cada um tem parcela de razão; parece que espetar o Pampa com eucaliptos não tem problema. Vivemos de ilusões e falsas promessas!

O setor agronegocial alega que “4 mil micros e pequenos produtores estão à margem da lei” e querem que a lei se adapte ao infrator e não o infrator às leis! Além de ser ofensivo aos cidadãos honestos e ridículo, é e um exemplo inegável de que atuam via seus políticos comprados para que as leis sejam alteradas com a finalidade de beneficiar infratores! Eles desrespeitam e agridem as próprias Constituições Federal e Estadual!  Entretanto é só outra mentira para impressionar, já que agricultores sérios e honestos respeitam as leis e, interessante, como nestes momentos o setor do “agrobusiness” se preocupa com “micros e pequenos produtores”.

Por conta de tais fatos deploráveis nós, simples cidadãos, devemos lembrar que entre as formas de combater a “pistolagem política” alinha-se, já neste ano, o exercício do voto.

Iniciemos, pois, uma campanha pela não eleição e reeleição destas figuras patéticas (sejam elas de que partido forem), visto que, uma vez empossados, vão complementar o trabalho de criminosos com sua ação parlamentar.

O voto consciente é a melhor forma de expulsar os que administram a miséria visando a manutenção de currais eleitorais e vendem a pátria intentando reeleições pagas pelo capital corruptor.

Althen Teixeira Filho – 25 de Julho de 2014.

Professor/Escritor UFPEL.

 

postagem

Eduíno de Mattos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: